Design thinking: uma ferramenta de inovação na sua startup

É muito comum se ouvir falar sobre a importância da criatividade e da adoção de um comportamento inovador no dia a dia de uma startup. De fato, a inovação é uma das características essenciais deste modelo de negócio, mas a verdade é que nem todos empreendedores conhecem abordagens que possam tornar sua startup mais inovadora.

Pensando nisso, nós preparamos este artigo para tratar do design thinking, uma ferramenta capaz de revolucionar a realidade de qualquer empresa e o próprio modo como você gere seus negócios.

Qual o conceito de design thinking?

Esqueça as metodologias e os procedimentos convencionais para desenvolver produtos, gerenciar projetos ou solucionar problemas de modo geral. Muitas vezes, a principal barreira para uma atitude inovadora se encontra justamente na repetição contínua desses processos.

O design thinking é o oposto disso, e tem como intuito solucionar os problemas por meio da atenção às reais necessidades do público-consumidor, levando também em consideração a bagagem cultural e a visão de mundo dos envolvidos no projeto, bem como as práticas que favoreçam uma interação mais colaborativa.

Quais são as etapas do design thinking?

Para trilhar o caminho do design thinking em sua startup, especialistas no tema indicam algumas etapas que visam oferecer um direcionamento positivo para o seu processo criativo rumo à inovação. Veja a seguir quais são estas etapas.

1. Identificar e compreender as necessidades

Imagine que você deseja aplicar o design thinking no processo de criação de um produto. Nesta etapa inicial, seu trabalho e o das equipes envolvidas é o de entender todo o cenário que permitirá o surgimento de um produto inovador.

Sendo assim, é preciso analisar as virtudes e falhas da concorrência, qual o ambiente de negócios de sua região e quais são as principais demandas de seu público-alvo. Não hesite também em examinar sua própria empresa, identificar seus pontos fortes e mais frágeis, além de entrevistar seus funcionários em busca de mais conteúdo informacional que possa contribuir com seu produto.

2. Descobrir oportunidades

Em seguida, é hora de descobrir, efetivamente, como você poderá agir de modo criativo a partir do contexto analisado. Seguindo com o exemplo do desenvolvimento de um produto, aqui serão descobertas as oportunidades que lhe permitirão preencher os vazios do mercado, atendendo às necessidades de clientes que não vem sendo sanadas de modo satisfatório pela concorrência e se posicionando como uma startup inovadora no seu segmento.

3. Desenvolver a solução

Chegou a fase do brainstorm. Faça reuniões com as equipes, objetivando coletar o máximo de ideias possível sobre como desenvolver o produto ou solucionar o problema em pauta. Quanto mais livre for este processo, maior a chance de que surjam ideias inovadoras e com perspectiva “fora da caixa”. Depois, você poderá selecionar aquelas que mais contribuirão com o projeto.

4. Testar a ferramenta por meio de protótipos

A penúltima etapa do design thinking envolve o teste da ideia ou da solução desenvolvida. Para tanto, é bastante útil junto com o conceito de MVP, sigla para Minimum Viable Product ou Mínimo Produto Viável. Essa é a versão mais simples do produto a ser testada com um grupo selecionado de clientes.

5. Implementar e testar a solução criada

Por fim, temos a implementação da solução criada e a iteração dela, incorporando o feedback recebido. A tendência é que, seguidas todas as etapas do design thinking, suas chances de sucesso se potencializem, visto que você terá levado em conta diversos cenários, perfis e visões de mundo.

Ferramenta para inovação em startups

Se você ficou atento, já conseguiu notar que o design thinking é uma excelente ferramenta para o desenvolvimento de produtos inovadores. Algumas etapas dessa abordagem são muito úteis para as áreas de projetos, análise estratégica, equipes comerciais, e até mesmo para a resolução de conflitos e problemas que apareçam no ambiente interno.

Aqui na Crafters utilizamos muito o conceito de VDP – Value Proposition Design. O conceito do VPD é intimamente ligado aos princípios do design thinking e visa a criação de propostas de valor. O Design Thinking para produtos tem recebido um nome de Product Thinking e é fundamental para acelerar sua startup e ajudá-lo a chegar no ideal de proposta de valor para um produto.

E aí, gostou deste artigo? Já utiliza o design thinking ou VPD em sua startup? Deixe seu comentário e nos conte sobre sua experiência!