Os 4 passos para seu modelo de negócios

Há algumas semanas, a Crafters passou por uma semana de criação colaborativa. Eu e o Vinicius Quaiato nos reunimos com clientes, membros do time e parceiros para criar soluções inovadoras em formato de produtos. Não é a primeira vez que fazemos isso, mas é a primeira vez que fazemos isso com foco total e sem interrupções. É empolgante poder trabalhar e exercitar ideias.

Nesta edição específica o objetivo é entender 3 dos nossos projetos. Criar e exercitar modelos de negócios para cada um desses produtos foi o resultado esperado dessa semana. Sabíamos que ao gerar soluções simples o suficiente sairíamos da semana com ideias prontas para serem validadas e executadas, e mais, veríamos em breve algum tipo de protótipo dos produtos. Para realizar esta tarefa nós criamos um processo para concepção de produtos da Crafters, baseado em técnicas do mercado.

Crafters Business Modeling

O processo é simples e tem como base o uso do Business Model Generation, Storytelling, Blue Ocean Strategy, Backlog Grooming, Análise SWOT, Design Emergente, Brainstorming e personificação de público alvo. Essas técnicas tem como objetivo identificar e definir público alvo, cenários de negócio, modelo de custos, receitas, canais de distribuição, proposta de valor, e vários outros componentes. O resultado é um conhecimento mais embasado do produto que se deseja construir e dos fatores que estão envolvidos na operação do produto. Isso nos tira do mundo das ideias de infalíveis e nos traz para o mercado capitalista ocidental, onde precisamos claramente gerar receitas e lucros, conseguir usuários e garantir a sobrevivência do produto.

O processo com que trabalhamos (adaptamos, reinventamos e melhoramos) é composto de alguns passos listados abaixo.

Passo 1: Objetivos do produto

Antes de começar é preciso elencar a área de atuação do produto e isto pode ser feito na forma de repsostas para algumas perguntas:

  • Qual problema este produto pretende resolver?
  • Qual é a inovação que este produto traz para o mercado?
  • Qual é o macro mercado deste produto?
  • O que a empresa/você quer com este produto?

Precisamos dessas respostas para ter um norte para onde seguir e um porto de onde partir. Depois disso, começa a viagem.

Passo 2: Definição de público alvo

Muitas vezes é difícil saber exatamente quem irá usar nosso produto, porém precisamos identificar pelo menos quem imaginamos ou queremos que use nosso produto. Entendemos que é mais fácil declarar uma proposta de valor quando conhecemos o público que a valoriza. Para isso, temos que construir um ou mais personagens que representem este público alvo.

Passo 3: Cenários de uso

Uma vez que tenhamos um ou mais perfis das pessoas que são o alvo de nosso produto, precisamos alinhar definir cenários de uso deste produto. Como alguém poderá usar nosso produto? Quais as suas motivações práticas? Qual é o impacto que o produto pode gerar na vida dessas pessoas? Usamos técnicas de Storytelling para compor e imaginar os cenários. É impressionante quantos detalhes e riqueza uma história pode conter.

Passo 4: Quadro de Modelo de Negócios

O elemento mais puro e nítido vindo do Business Model Generation é o Quadro de Modelo de Negócios. Este quadro possui 9 componentes (áreas) relacionados. Segmentos de cliente, proposta de valor, tipos de relacionamento com os clientes, canais de distribuição, principais atividades, recursos, parceiros, estrutura de custos e fontes de receitas. Cada componente disposto estrategicamente no espaço para deixar clara a sua relação uns com os outros.

O que fazer com meu modelo de negócios?

Concluir os 4 passos não quer dizer que o trabalho acabou, ele está apenas começando. É preciso questionar profundamente o seu modelo de negócios. As possibilidades são imensas. Sessões de brainstorm, análises SWOT sobre o quadro e sobre cada componente do quadro, elaboração de planilhas e contas para validar sua matemática, pesquisas de campo que permitam mais segurança nas suas afirmações, protótipos de negócio que permitam a validação do modelo, enfim… uma infinidade de coisas que podem ser feitas e trabalhadas para aprimorar esse rascunho inicial.

Definir um modelo de negócios não é algo que pode ser terminado em 1 dia de trabalho, nem em uma semana. É preciso de tempo, cuidado, atenção e dedicação. É importante envolver diversas pessoas de diversas áreas nesta definição. Mentes com visões diferentes e insightsespecíficos são bem vindas, pois trazem mais questionamento e ajudam a romper a comodidade.